quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Eu pensei melhor sobre George. Sobre aquelas perguntas “o que eu achava,pensava,esperava sobre ele” tinha dito que não achava nada, que pouco me importava. Pensando bem, não é verdade. Eu quero que entre eu e ele seja apenas sexo. Que me trate feito uma puta qualquer, mesmo que não pague. Quero que ele pare de me achar inteligente, se interessar pelas coisas que gosto que não se importe. Se começarmos com isso de “nos gostar” acaba tudo. Ah, fico uma chata. Neurótica.
Decidir dizer isso a George. Pra ele parar de uma vez por todas com isso de “sentimentalismo”. Pensar apenas nos meus minúsculos vestidos, e em suas mãos por baixo dele. Deixando-me descontrolada. Se eu tiver que me apaixonar por ele, que seja pelo seu cacete.

3 comentários:

Natália Lemos disse...

"Se eu tiver que me apaixonar por ele, que seja pelo seu cacete."


IUEAHIUEHAIUEHAIUHEIAUHEIUAHEIUAHEIUAHEIUAHEIUAHIEUAHIUEHA

BIIICHO IEHAIUEHA, SEM COMENTARIOS

Natália Lemos disse...

aliais, ta faltando falar de mim aqui nessa porcaria.

daniel. disse...

narrativa curta e crua, num ritmo acelerado,palavras fortes...é minina, eu vejo sangue no que vc escreve.....